topo

NOSSO BLOG

Acesse nossos conteúdos e acompanhe nossas novidades.

Postado em 17 de Outubro de 2019 às 10h50

Como prevenir e enfrentar crises de imagem

Vagner Dalbosco (8)Artigos (17)

Um dos riscos mais eminentes ao qual marcas e profissionais estão sujeitos, são as crises de imagem. Por isso a importância de identifica-las, preveni-las e enfrentá-las. Nesse artigo ajudamos você a percorrer essa jornada.

Produtos com defeito; serviços mal prestados; atendimento ruim; desvios legais, éticos e morais. Não importa se o ambiente é corporativo ou governamental. Empresas privadas, órgãos públicos e organizações de diferentes naturezas aos poucos estão aprendendo a conviver em uma sociedade em que o cidadão deixou de ser um mero consumidor de conteúdo, mas também tornou-se produtor.

Com um consumidor mais ativo, que reclama e reivindica publicamente suas demandas, pode-se afirmar que todos, marcas e profissionais, estão sujeitos à exposição e ao julgamento na praça pública que tornaram-se as mídias sociais. Adiciona-se a este contexto as disputas políticas e mercadológicas, a vaidade e a circulação de notícias falsas, temos então uma verdadeira fábrica de crises de imagem.

Mas, afinal, o que é e como surge uma crise de imagem?

Todos estamos sujeitos e dificilmente passaremos isentos a uma crise de imagem ao longo de nossa existência. Por mais que façamos todos os esforços do ponto de vista técnico e ético, essa é uma questão a qual não temos total controle. O ideal é que você trabalhe sempre com a prevenção. Quando a crise de imagem não é prevenida ou resolvida, a ponto de voltar a se repetir, ela pode afetar a reputação da marca, o que é ainda mais grave. Tudo depende da natureza, da frequência, da proporção e da intensidade com que as crises ocorrem.

A natureza das crises
As crises são situações reais enfrentadas por marcas e pessoas, mas também são simbólicas. Cada crise está associada à memória prescritiva do público, que a associa e correlaciona com suas crenças, seus valores, suas percepções e suas experiências. Por isso uma crise não é determinada apenas pelo fato que a originou, mas pelas associações que as pessoas fazem no seu mundo mental. E uma das variáveis que torna as crises mais graves diz respeito à sua natureza, sua causa. Crises causadas pelo homem, por exemplo, são muito mais intensas e difíceis de serem perdoadas pelo púbico do que aquelas causadas por fatores externos à ação humana. Isso porque, de forma geral, há uma percepção que falhas humanas podem ser previstas e, portanto, evitadas.

Frequência, proporção e intensidade
A proporção e a intensidade também dão o tom das crises. A proporção é uma variável quantitativa. Está associada ao número de pessoas impactadas, sejam aquelas afetadas diretamente pelo acontecimento, como também o público que teve acesso à notícia. A depender da conduta da empresa neste caso, outro fator agravante poderá surgir, que é a intensidade da crise, expressa por questões de ordem mais qualitativa.

Na medida em que uma marca não dá respostas para insatisfações, as crises podem voltar a se repetir com maior frequência e intensidade. Além disso, é possível que a exposição de casos concretos de insatisfação se amplie, por meio de imagens, depoimentos e outros tantos conteúdos, e o caso tende a estabelecer uma sintonia emocional com o público pela humanização das históricas, mobilizando a opinião pública e comprometendo a reputação da marca.

Cinco dicas para sua marca prevenir e lidar com as crises de imagem
Confira cinco dicas sobre como sua organização deve se preparar para prevenir e enfrentar uma crise de imagem.

1 – Reconheça que pode passar por uma crise de imagem
A autosuficiência ou mesmo a ignorância sobre esse assunto faz com que muitas organizações tenham a falsa impressão que estão imunes a uma crise de imagem. Ao não reconhecerem essa possibilidade, quando a crise bater, o despreparo e o amadorismo podem tornar a crise muito maior do que ela já é, e ser fatal para a marca.

2 - Estruture um comitê de crise
Identifique profissionais que conheçam a organização de ponta e ponta; que tenham acesso a informações estratégicas, equilíbrio emocional e habilidades de comunicação e relacionamento interpessoal. Estas pessoas terão melhores condições de pensar ações preventivas, mas também de enfrentar a tensão nos momentos de crise.

3 - Identifique as crises mais prováveis

Toda organização ou profissional têm suas fragilidades, e em algum momento uma ou mais podem vir à torna. Identificá-las fará com que você estabeleça ações concretas para cada uma delas com racionalidade, o que tornará sua marca mais preparada para crises de diferentes naturezas.

4 – Faça uma auditoria de Imagem
Aplique pesquisas para mensurar a percepção que seus públicos têm de você ou da sua organização. Há diferentes métodos para avaliar a imagem de uma marca. Pesquisas de opinião pública ou junto a determinados públicos de interesse; análise da imagem da marca na imprensa; ou mesmo o monitoramento nas mídias sociais. Uma não exclui a outra, pois são formatos diferentes e complementares. Saber o que os outros pensam a respeito da marca cientificamente é fundamental para corrigir equívocos e implantar estratégias assertivas.

5 - Elabore um Plano de Gestão de Crise
Trata-se de uma política que orienta ações preventivas e estabelece condutas e protocolos a serem adotados diante das diferentes situações mapeadas como prováveis crises, caso elas surjam. Munida de um bom diagnóstico e de um plano pensado estrategicamente em momentos de pura racionalidade, a empresa estará melhor preservada de tomar decisões no amadorismo e no calor das emoções que predomina em momentos de crise.

Quer saber mais sobre como sua marca pode evitar e enfrentar uma crise de imagem?

Vamos conversar?

Veja também

Toda empresa precisa estar online?04/10/19 A resposta imediata é: Sim! Considerando que a lista telefônica se tornou tão ultrapassada quanto a Barsa, a primeira opção das pessoas hoje na hora de buscar o contato de uma empresa é a pesquisa na internet. Mas estar online também não significa estar em todas as plataformas. Ter uma página no Facebook ou Instagram apenas para ter, sem que haja uma......

Voltar para Blog

Vagner Dalbosco

Por Vagner Dalbosco
Head da Previu Inteligência | Mestre em Gestão da Informação 
vagner@previuinteligencia.com.br

Liziane Vicenzi

Por Liziane Vicenzi
Colaboradora Previu Inteligência | Mestre em Jornalismo | Doutoranda em Educação 
lizivicenzi@gmail.com

Redação Previu Inteligência